Universidade federal para estudantes do campo: quebrando barreiras e abrindo caminhos para um diploma

Por Tatiane Sousa

O ensino superior sempre foi o objetivo de muitos estudantes que, ao terminar o ensino médio, sonhavam conseguir exercer uma profissão. Atualmente, os dois processos seletivos mais comuns para a entrada em uma universidade federal é o vestibular e o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Em ambos os métodos avaliativos, os estudantes têm a oportunidade de demonstrar seus conhecimentos acerca de determinados assuntos e, assim, conseguir a tão almejada vaga para o ensino superior.

Nessa disputa por vaga, muitos estudantes oriundos da escola privada, não raro, podem ter um melhor suporte para conseguir fazer essas avaliações, dadas as realidades assimétricas e inconstantes da rede pública. Essa situação não diz respeito a uma capacidade individual do estudante, mas, muitas vezes, é uma questão de desigualdade de oportunidades.

ENSINO SUPERIOR SEM SAIR DA SUA REALIDADE

Essa situação de diferenças de oportunidades chama ainda mais a atenção quando pensamos na relação que os estudantes do campo podem ter com as universidades. Quando um estudante alcança a vaga desejada em uma universidade distante, pode ser desafiador enfrentar o ambiente, as pessoas e a cultura do local de estudo, o qual pode ser muito diferente do habitual para o indivíduo. Isso, sem contar as exigências financeiras, as quais podem envolver, em especial, alimentação e moradia. Na vida do estudante que vem de comunidades campesinas, esse dilema sempre esteve presente, pois a universidade pública não chegava, presencialmente, às comunidades rurais.

Como uma resposta a essa situação, foi desenvolvido um processo de formação de ensino superior que visa à articulação entre o meio acadêmico e a realidade social/cultural do estudante, o que é possibilitado pelo chamado regime de alternância. Essa prática, que envolve a oportunidade de o estudante ficar um período na cidade sede da universidade e outro período em sua própria comunidade, é ainda pouco utilizada no ensino superior, mas já vem particularizando e possibilitando as Licenciaturas em Educação do Campo pelo país.

Um dos cursos que possui essa proposta é a LEC-UFVJM, cuja sede é em Diamantina-MG. O curso forma professores certificados nas áreas de Linguagens e Códigos - habilitando os graduados a atuarem nas áreas de português e inglês - e também Ciências da Natureza - que habilita o profissional para atuar nas disciplinas de química, física e biologia. Uma proposta como essa, além de viabilizar uma forma alternativa de acesso e permanência na universidade, pode fazer com que o educando consiga estabelecer relações entre o que foi ensinado a ele no meio acadêmico e o meio social em que está inserido.

A lógica dessa articulação, nesse sentido, é tentar promover transformações e benefícios a todos os envolvidos. Por exemplo, com certos conhecimentos acadêmicos, o estudante tem mais oportunidades de fomentar melhorias para a sua localidade. Em contrapartida, os moradores, ao se envolverem no processo de ensino, passam a contribuir com conhecimentos próprios no processo formativo do sujeito e na realização das atividades acadêmicas. Também vale destacar que o próprio estudante, muitas vezes, passa a servir de inspiração a outros moradores, que muitas vezes passam a ver com mais nitidez um caminho para o sonho de conseguir alcançar o ensino superior.

Para quem se interessou em cursar essa licenciatura, atenção: o pedido de isenção de taxa de inscrição já se esgotou dia 24 de janeiro. Porém, ainda é possível se candidatar: as inscrições irão ocorrer de 12 de fevereiro a 12 de março. Para saber mais informações, você pode acessar o edital do processo seletivo em:

https://www.ufvjm.edu.br/copese/a/noticias/349-copese-divulga-edital-do-processo-seletivo-lec-21019.html 

Veja também

Se a vida das comunidades indígenas do Brasil nunca foi fácil, atualmente não há diferença ou esperança de mudança, pois estão enfrentando grandes problemas no que concerne às demarcações de suas terras, haja vista que o executivo deixou bem claro que no atual governo não haverá demarcações.

O trabalho escravo é um fenômeno mais amplo do que se imagina. É fácil encontrar notícias de uma realidade que boa parte das pessoas desconhece ou imagina ser possível nesse mundo globalizado, o trabalho escravo nos bastidores da indústria fashion. Para uma prestação de serviços mais barata, muitos atentam contra a dignidade do ser humano, até com...