UM OLHAR SOB A LENTE DE UMA EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA: EDUCAÇÃO DO CAMPO

A Educação do Campo com seu poder transformador tem ampliado olhares e vozes de sujeitos de variados e diferentes campos e transformando realidades.

Por Tatiane Mendes Sousa

A Educação do Campo tem transformado sujeitos a partir da valorização dos seus modos de vida. Como estudante e futura educadora do campo, percebo a mudança que essa educação tem gerado, tanto em minha vida e minha comunidade, como na vida de colegas e suas comunidades. A Educação do Campo tem transformado olhares, dando oportunidade à diversidade e ferramentas para se viver em sociedade.

Diante do que tenho estudado, percebo que ser educador é poder mediar a informação e o conhecimento nos vários campos que a vida nos coloca. Ser educador é lutar por uma educação que forme protagonistas, que desempenhe a criticidade, que seja relevante e na vida do estudante, que faça a diferença e que não seja vista apenas como modo de se profissionalizar, mas sobretudo sobre ler o mundo, nas palavras de Paulo Freire.

Estudante. 2019. Tatiane Mendes Sousa.(Arquivo de Tatiane Mendes de Souza)
Estudante. 2019. Tatiane Mendes Sousa.(Arquivo de Tatiane Mendes de Souza)

A Educação do Campo tem o poder de transformar e ampliar o nosso olhar de modo, nos tornando mais críticos e, assim, nos motiva a fazer a diferença no ambiente em que vivemos e nos dá poder, nos faz lutar por uma vida sem preconceitos, , de oportunidades. Pois só a luta diante das barreiras que encontramos nessa caminhada em busca de uma educação de qualidade pode nos dar uma vida digna.

Para mim, a Educação do Campo é transformadora, pois ela mudou a minha maneira de olhar e levar a vida; com ela eu percebi que estava por perder minha essência de camponesa/agricultora; com ela pude perceber que em simples momentos construímos conhecimentos e o poder da fala, da linguagem e dos códigos. Pude, principalmente, me encontrar como um sujeito que quer transformar o meu entorno e me agarrar à minha amada comunidade valorizando o lugar no qual vivo, o meu campo, o meu canto.

Veja também

De agosto de 2018 a janeiro de 2020 a E.E. Pe. João Afonso recebeu o Programa Residência Pedagógica - programa federal de apoio, grosso modo, ao estágio de futuros professores. O trabalho desenvolvido foi protagonizado pelos graduandos da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

A Escola Maria Elisa Valle de Menezes realizou no dia 20 de novembro, na comunidade de Engenheiro Dolabela, localizada a 45 km do município Bocaiúva, o concurso de poesia com a temática da Consciência Negra. A vencedora do concurso foi a aluna Carolina Adriele do 8º ano do ensino fundamental.