TRABALHO ARTESANAL NA COMUNIDADE DE BURITI É TEMA DE ATIVIDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA LEC-UFVJM

Na comunidade de Buriti, estudantes do curso Licenciatura em Educação do Campo (LEC) da UFVJM promoveram uma roda de conversa e uma mini-oficina de artesanatos de barro com uma artesã local 

Por: Fernanda Antonina Rodrigues da Silva

Com o intuito de realizar uma prática de ensino do curso de Licenciatura em Educação do Campo (LEC) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), estudantes do curso fizeram, no dia 06 de setembro, um encontro na comunidade de Buriti, situada a poucos quilômetros da cidade de Turmalina. Em regime de alternância, o curso conta com momentos de aprendizagem na sede da universidade, o que chamam de Tempo Universidade, e nas comunidades dos estudantes, no Tempo Comunidade.

Foto tirada em visita a Associação de Artesãs de Barro. Foto: Clebson Almeida. 2019
Foto tirada em visita a Associação de Artesãs de Barro. Foto: Clebson Almeida. 2019

A fim de refletir sobre o tema "Educação e Trabalho", tema gerador definido em reunião com as comunidades e representantes dos movimentos sociais no espaço de diálogo denominado Conselho Consultivo, a prática envolveu uma visita à associação de artesãs de barro e, mais precisamente, a casa de Dona Deuzani, uma das artesãs da comunidade, onde estudantes, juntamente ao professor orientador Clebson Almeida, organizaram uma roda de conversa. Dona Deuzani falou sobre o trabalho que desenvolve na comunidade com o barro, além de comentar sobre a experiência de receber muitos visitantes interessados no seu trabalho e nas oficinas oferecidas por ela. Falou também da função que ela assume como receptiva familiar, hospedando turistas de vários lugares em busca das atrações artesanais de Buriti.

A partir de uma pergunta "Como é ser mulher?", proposta pelos estudantes, Dona Deuzani relatou suas experiências enquanto mulher, mãe, trabalhadora, artesã, agricultora, dona de casa, professora e receptiva familiar. Em reflexão sobre o momento atual e equidade de gêneros, Dona Deuzani opina que "A luta não acabou" e que "A vitória sem luta é vazia". Para ela, a luta "Não é fácil" e, sobretudo, intrínseca ao ser mulher: "Pra deixar as dificuldades, tem de deixar de ser mulher".

Com isso, abriu-se uma discussão muito interessante a respeito do papel da mulher na sociedade, os preconceitos que sofrem e o papel do machismo nessa realidade. Em diálogo com o tema educação e trabalho, Dona Deuzani falou da relação entre educação e o trabalho que desenvolve na comunidade, fundamentada em princípios como o respeito pelo próximo e pelo meio ambiente. Na sua fala, deixou claro, ainda, que busca promover reflexões sobre os métodos educativos originários nesses princípios que, segundo a artesão, são fundamentais para a existência humana.

Após a roda de conversa, o grupo partiu para as atividades práticas com a mini-oficina de barro onde os estudantes acompanharam e vivenciaram etapas de produção de uma peça que envolve o processo de socar o barro, peneirar, preparar a massa, produzir as peças e levá-las ao forno para secarem. Após a oficina, houve uma passagem rápida pela exposição de peças já produzidas por Dona Deuzani. O fim da visita se deu com uma caminhada pela mata de preservação existente na propriedade da artesã, considerada "Um lugar Sagrado", como afirmou a anfitriã. E ali mesmo, em meio a mata fechada e calma, em um momento de extrema gratidão pelas experiências vividas, todos cantaram, parabenizaram Dona Deuzani e agradeceram a oportunidade de conhecerem parte de suas culturas.

Veja também

Se a vida das comunidades indígenas do Brasil nunca foi fácil, atualmente não há diferença ou esperança de mudança, pois estão enfrentando grandes problemas no que concerne às demarcações de suas terras, haja vista que o executivo deixou bem claro que no atual governo não haverá demarcações.

O trabalho escravo é um fenômeno mais amplo do que se imagina. É fácil encontrar notícias de uma realidade que boa parte das pessoas desconhece ou imagina ser possível nesse mundo globalizado, o trabalho escravo nos bastidores da indústria fashion. Para uma prestação de serviços mais barata, muitos atentam contra a dignidade do ser humano, até com...