REPENSANDO UMA EDUCAÇÃO QUE INSPIRA MUDANÇAS A PARTIR DO RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA

O Programa de Residência Pedagógica é uma das ações que integram a Política Nacional de Formação de Professores e tem por objetivo induzir o aperfeiçoamento da formação prática nos cursos de licenciatura, promovendo a imersão do licenciando na escola de educação básica, a partir da segunda metade de seu curso.

Por Alexandre Vieira Rios, Manoel Macedo Martins, Mateus Felipe Oliveira e Sandra Ferreira da Silva*

O Programa Residência Pedagógica do governo federal, implementado pelos cursos superiores de formação de professores, em Ouro Verde de Minas-MG foi desenvolvido na Escola Estadual Vereador Luzo Freitas de Araújo. Com carga horária total de 440 horas obrigatórias para cada residente, teve início em 01/08/2018 com 10 residentes e foi encerramento, nessa edição em 31/01/2020 com 09 residentes.

Foto do arquivo pessoal dos autores: construção de mapas cartográficos
Foto do arquivo pessoal dos autores: construção de mapas cartográficos

O subprojeto do qual Ouro Verde caracterizou-se, sobretudo, por ampliar os conhecimentos dos professores em formação a partir da prática do residente, em parceria, com o estágio supervisionado. O enfoque dado nas práticas interdisciplinares dos residentes das duas habilitações oferecidas pela Licenciatura em Educação do Campo (LEC) foi, antes de tudo, o destaque aos sujeitos e suas necessidades, com atividades que partiram da investigação das realidades e seus vieses: social, educacional, econômica, cultural e histórica.

A imersão do residente no contexto escolar contemplou regência de sala de aula e intervenção pedagógica, sob a supervisão de um professor da escola com experiência na área de ensino do licenciando e orientação de um docente da sua Instituição Formadora. Como atividade inicial, foi realizado um roteiro de Diagnóstico e Imersão, em que os residentes tiveram que fazer um mapa cartográfico da escola-campo. Essa atividade foi realizada com o intuito de conhecer a escola, sua estrutura física, seu entorno, seus contextos e, nesse sentido, ajudou a provocar muitas reflexões que, em muitos casos, foram materializadas em sequências didáticas desenvolvidas nas turmas do Ensino fundamental II e do Ensino médio durante o ano de 2019.

As experiências adquiridas com o projeto proporcionaram conhecimentos que vão além da profissionalização, pois possibilitaram aos residentes, futuros educadores, viver e conhecer as potencialidades e desafios da comunidade escolar e da profissão de professor. Fez parte desse trajeto a busca de ideias, as práticas necessárias com ferramenta, metodologias e ações que puderam contribuir para melhorias visíveis e efetivas na realidade educacional dos estudantes da escola.

Com o Projeto Residência Pedagógica, os futuros professores puderam se dar conta de que não é tão simples planejar, organizar e ministrar uma aula; mas que com a dedicação necessária os resultados podem ser surpreendentes. Ao longo desses meses, os licenciandos deixaram de ser espectadores, saíram da teoria e partiram para a prática, como protagonistas; foram momentos de se aprendendo a ensinar ensinando, ganhando autoconfiança, confiança e o respeito dos estudantes. Com as práticas realizadas, possibilitou-se, ainda, a compreender melhor as teorias estudadas durante o curso e suas aplicabilidades na prática que agora se inicia.

Foto do arquivo pessoal dos autores: atividade na biblioteca da escola
Foto do arquivo pessoal dos autores: atividade na biblioteca da escola

Como um parecer dos residentes, representandos por estes autores que também foram residentes, pode-se atentar ao fato de que o curso de Licenciatura em Educação do Campo é resultado de muita luta dos diversos movimentos e lideranças sociais em prol do direito a uma educação do campo de qualidade. O curso busca construir uma educação que leve em consideração as especificidades, as tradições e saberes do povo do campo, visto que o curso preza bastante a pedagogia freireana para a formação dos graduandos. Diante disso, percebe-se que muitas pautas da Educação do Campo, na rotina das escolas por questões políticas diversas, não estão saindo do papel como, principalmente, questões de diálogo. Nesse sentido, acredita-se que ainda há um longo caminho a percorrer, no sentido de lutar para que a Educação do Campo se efetive de forma satisfatória.

A Escola Estadual Vereador Luzo Freitas de Araújo, escola-campo que recebeu o Residência Pedagógica em Ouro Verde, sempre esteve de portas abertas para os projetos da Educação do Campo, bem como contribuiu para a realização das atividades de residência. Os professores foram parceiros e também auxiliaram bastante na elaboração e execução dos planejamentos, assim como a Secretaria de Educação e a IES que viabilizou o Programa.


[*] Preceptor e residentes do Programa Residência Pedagógica