O PROGRAMA RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA E SEUS IMPACTOS NA E. E. PADRE JOÃO AFONSO

De agosto de 2018 a janeiro de 2020 a E.E. Pe. João Afonso recebeu o Programa Residência Pedagógica - programa federal de apoio, grosso modo, ao estágio de futuros professores. O trabalho desenvolvido foi protagonizado pelos graduandos da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

Por Ângela Rita Teixeira¹

Fonte: arquivos pessoais da autora: residentes em atuação
Fonte: arquivos pessoais da autora: residentes em atuação

A E. E. Padre João Afonso tem muito do que se orgulhar do diálogo que vem travando com a UFVJM. Desde o primeiro contato com a universidade, em meados de 2012, ainda com a turma do PROCAMPO, quando a escola recebeu o PIBID Diversidade e desenvolveu o projeto Cultura Local e Identidade Sociocultural da comunidade Padre João Afonso, sob a coordenação do Prof. Marivaldo Aparecido Carvalho, a supervisão da Prof. Érica Fernanda Justino e a atuação das bolsistas Ângela Rita Teixeira e Elena Araújo França Stavrou. A relação consolidou-se e a escola nunca mais fechou as portas para as atividades da universidade. O PIBID tem atuação garantida até este mês, junto ao Residência Pedagógica. Além disso, outras atividades são realizadas pelos licenciandos da LEC durante o Tempo Comunidade (TC), dentro e fora do espaço escolar.

Desde agosto de 2018, mas prestes a encerrar suas atividades, sob a coordenação dos professores da UFVJM, Anielli F. G. Lemes e Carlos Henrique Silva de Castro e a supervisão da preceptora Ângela Rita Teixeira, foi na escola da comunidade que foram realizadas as atividades de formação, observação e regência do Programa Residência Pedagógica. Como programa novo do governo federal, foi uma oportunidade inédita e muito desejada pelos residentes e aqueles diretamente envolvidos na escola. Do processo de seleção até a finalização do projeto, tudo se constituiu de desafios diversos, desde a luta para que a escola fosse contemplada, às relações pessoais e profissionais, às atividades a serem cumpridas nos devidos prazos, tudo a fim de que o principal objetivo do programa fosse alcançado: o de contribuir na formação de futuros professores.

Fonte: arquivos pessoais da autora: (da esq. para a dir.) Encontro de formação entre PIBID e RP em 13/03/19, roda de conversa café com Elas em 21/03/19; reunião do RP em 13/03/19.
Fonte: arquivos pessoais da autora: (da esq. para a dir.) Encontro de formação entre PIBID e RP em 13/03/19, roda de conversa café com Elas em 21/03/19; reunião do RP em 13/03/19.

Entre seminários on-line, reuniões presenciais, estudos via ambiente virtual de aprendizagem, elaboração de planos de trabalho, diários de campo, relatórios, observação e regência em sala de aula, os residentes tiveram a oportunidade de aprimorar conhecimentos acerca dos desafios que permeiam o espaço escolar, bem como identificar aspectos próprios do ambiente em constante mudança de uma escola.

Para a comunidade Padre João Afonso, o programa vem como uma oportunidade de continuar formando seus jovens, já que os recursos financeiros disponibilizados em bolsas de apoio contribuem para a permanência na universidade.

A E. E. Pe. João Afonso, por meio do diretor Cristiano Afonso Teixeira Fernandes, elogiou as ações do programa dentro da escola, dizendo da importância da formação para os futuros professores e do acompanhamento dado a eles pela a universidade. Para ele, a presença da UFVJM na escola e na comunidade, por si só, já instiga outros profissionais a buscarem mais conhecimento e auxilia no empoderamento dos locais, que começam, a ter novas perspectivas. O diretor enfatiza que a forma como essa relação acontece colabora bastante para esses processos, pois sempre há diálogo e as ações se dão, sempre que possível, de forma clara e coletiva.

Com quatro residentes da LEC, Eliane Barbosa, Graciele Svercel, Magno Ferreira e Sabrina Vieira, a escola avalia que o RP é um aperfeiçoamento do estágio supervisionado, já que amplia possibilidades e permite um acompanhamento mais eficiente das atividades executadas.

Desse modo, numa síntese geral e por ser a primeira turma, avalia-se que os resultados foram muito bons, o que pode se depreender da fala da residente Graciele Svercel:

Mediante os aspectos positivos e negativos encontrados durante o Residência Pedagógica, pode ser citada a presença de uma escola do campo no programa, onde o ensino é oferecido não somente para os habitantes de nossa região, como também para os demais alunos situados em comunidades vizinhas. Essa importância se dá pelo fato de a realidade cotidiana ser diferente na sociedade campesina que, infelizmente, sofre enormes danos pela falta de políticas públicas que venham ao encontro das demandas e anseios dessa gente. 

Já a residente Eliane Maria avalia como positivo o caráter coletivo com que o programa foi desenvolvido na escola:

Todas as atividades são avaliadas pelos professores orientadores e pela preceptora, que indicam os pontos positivos e pontos em que devem ser melhorados. Da mesma forma, as atividades de regência são avaliadas pelo professor preceptor e pelos próprios estudantes residentes. Acho que essa é uma forma de termos um feedback de tudo que está sendo produzido.

Sabrina Lemes pontua pontos importantes do programa:

O Residência Pedagógica foi uma oportunidade excepcional na nossa formação profissional, pois possibilitou que o estudante de licenciatura dedicasse ainda mais seu tempo ao estágio. O programa nos ofereceu a oportunidade de sairmos mais preparados da universidade para o campo de atuação profissional e trouxe oportunidades de mais diálogos com outros licenciados, outros professores e outros projetos. Ampliou nossa visão de mundo enquanto licenciandos. Além disso, o projeto foi muito bem recepcionado dentro da escola, como os outros funcionários da instituição sempre prontos para qualquer ajuda. A IES também foi uma parceira importante, pois, além das orientações, sempre esteve lá para ajudar em qualquer acontecimento.

Para finalizar, trago a opinião do residente Magno Ferreira, para o qual há a necessidade de se continuar o programa para que beneficie a outros licenciandos:

Como foi importante pra mim, sei que esse programa pode fazer muito bem a outras pessoas, então deixo aqui minha expectativa em receber notícias dessa continuação. Os graduandos, em sua diversidade, merecem!

E assim, afirmamos a importância da formação de professores, não somente durante o processo de formação nas licenciaturas, mas também de forma continuada, para que a educação não se perca do seu constante movimento de (re)construção e luta.

Fonte: arquivo pessoal da autora: Padre João Afonso numa manhã de nevoeiro em 10/08/19.
Fonte: arquivo pessoal da autora: Padre João Afonso numa manhã de nevoeiro em 10/08/19.

1 Ângela Rita Teixeira é professora na área de Ciências da Natureza na E. E. Padre João Afonso, é preceptora do projeto Residência Pedagógica na escola e mestranda em Educação em Ciências, Matemática e Tecnologia na UFVJM.