O PROGRAMA RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA DA UFVJM EM RIO PARDO DE MINAS

Estudantes da Licenciatura em Educação do Campo (LEC) da UFVJM desenvolveram atividades formativas e contextualizadas com a realidade dos alunos da Escola Estadual Norberto de Almeida Rocha pelo programa Residência Pedagógica de agosto de 2018 a janeiro de 2020.

Por Jonas Oliveira Santos; Emanuela Raymunda de Sousa Miranda; Eliana Henrique de Souza Dias; Gean Marcos Martins de Melo; Sarah Santos; Renata Mendes de Assis; Márcia Mônica Freitas David¹ 

O Programa Residência Pedagógica (RP) tem permitido grandes experiências nos diversos cursos de licenciatura ofertados por algumas universidades do país, entre elas está a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). O programa possibilita a atuação dos residentes - que são estudantes de licenciaturas, futuros professores portanto - a partir do pagamento de bolsas e de supervisão ao longo de 18 meses. A supervisão é feita por professores da própria universidade e de um professor na escola campo. Os residentes estão espalhados em escolas campo, normalmente onde os licenciandos estagiam. Em Rio Pardo de Minas, as práticas de formação de docentes pela LEC, curso em alternância da UFVJM que permite a permanência dos estudantes em parte do tempo nas suas comunidades, são realizadas na Escola Estadual Norberto de Almeida Rocha (E.E.N.A.R), localizada na comunidade Apóstolo Simão, a aproximadamente 18 quilômetros da cidade de Rio Pardo de Minas MG. As atividades desenvolvidas pelos residentes nessa escola aconteceram com estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental e Médio.

No início do programa, os residentes, a preceptora e colaboradores se reuniram para elaborarem o plano de ação apontando as intervenções e atividades que seriam feitas no decorrer do projeto. Assim, foi realizado um diagnóstico inicial a partir de mapas cartográficos com identificação da estrutura da escola e das comunidades ao redor, onde também vivem os estudantes. Os mapas também apontaram quais as principais atividades agrícolas eram desenvolvidas nas comunidades dos estudantes e a rota feita pelo transporte escolar. Esse diagnóstico foi fundamental para o trabalho na medida que deixou mais claro com quais sujeitos os residentes e a escola estavam trabalhando. De posse dessas informações iniciais, foram desenvolvidas atividades mais contextualizadas com a realidade dos estudantes nas áreas de conhecimento dos estudantes: ciências da natureza e linguagens e códigos.

As atividades desenvolvidas ao longo do programa deixaram claro que as práticas pedagógicas realizadas pelos residentes contribuíram para a formação como futuros docentes da Educação do Campo, bem como para a escola que teve contato com futuros professores que atuam a partir da valorização dos sujeitos do campo.

1 Residentes e a Preceptora Márcia David.