O HOMEM E A DESIGUALDADE

Por Matheus Henrique Rocha

Um certo dia

Um homem nasceu

Com muita alegria

Firme, forte cresceu.


Nascido de uma geração

De cor parda e negra;

Lutando para salvar a nação

E livrar-se da avareza e soberba.


Não era alfabetizado

Mas conversava bem e tinha bom coração

Quem ouvia-o ficava até apaixonado

Por demonstrar autodeterminação.


Determinado a mudar

Para cidade viajou

Com o objetivo de trabalhar

Mas vida boa não encontrou.


Em casa de branco

Foi humilhado

Foram a ele duros e francos

Por não ter estudado.


Pobre, negro, tiziu

Assim foi chamado

Disseram que da senzala fugiu

Por ser negro e a morte condenado.


Negro é com orgulho

Assim disse com emoção

Meus pais são os espelhos

Que me refletiram a razão.


Já me disseram que isso

É preconceito contra cor

Desigualdade racial não importa

Se o homem sabe dar amor.


A consciência negra

É a moral da história

Os preconceituosos

Verão a vitória.


Aos negros e pardos

Merecem respeito

Somos brancos amigos

Que também temos direito.

Fonte: <pixabay.com>
Fonte: <pixabay.com>