NORTE DE MINAS RECEBE UNIVERSITÁRIOS DO CAMPO PARA UMA REFLEXÃO CONJUNTA SOBRE TRABALHO E EDUCAÇÃO

Estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da UFVJM de diferentes comunidades fazem suas práticas de ensino semestralmente em comunidades da região. A última do núcleo de alternância de Montes Claros foi iniciada com um encontro nos dias 03 e 04 de setembro de 2019.

Por Rosiane Soares Pereira e Mariana Soares Ferreira

Nos dias 03 e 04 de setembro de 2019, aconteceu o primeiro encontro semestral de Prática de Ensino do Núcleo de Alternância de Montes Claros do curso Licenciatura em Educação do Campo (LEC) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Os encontros acontecem em 10 diferentes núcleos de alternância em diferentes municípios. O núcleo de Montes Claros é composto por discentes de várias Cidades do norte de Minas como Porteirinha, Coração de Jesus, Mirabela, Ubaí e Bocaiúva. Os encontros são parte integrante da disciplina de Prática de Ensino, obrigatória no curso, e que ajuda na formação dos estudantes a partir de situações concretas propostas e vividas em comunidades da região dos estudantes

Foto do acervo pessoal das autoras
Foto do acervo pessoal das autoras

No primeiro dia de encontro, os discentes, junto ao professor orientador Paulo Afrânio, reuniram-se na sede social do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Porteirinha-MG com os diretores do sindicato e o vice-prefeito para uma roda de conversa sobre o trabalho do sindicato e da cidade. Os diretores falaram da importância do Trabalho que o Sindicato promove no município e que sempre apoia a juventude para o acesso à educação do campo. Logo após, houve um debate sobre Trabalho e Educação e uma conversa a partir de leituras previamente selecionadas

No dia 03 de setembro houve a uma reunião lideranças sindicais, poder público municipal e profissionais da E. E. Joaquim Marcelino, escola da comunidade de Bom Jesus. Ainda dentro do tema Trabalho e Educação, a reunião teve abertura a diversas falas de discentes sobre o trabalho do professor e dos agricultores familiares, bem como sobre a importância do trabalho e educação para a vivência humana. Houve vários relatos dos participantes com relação ao trabalho dos jovens e a necessidade de mostrar a importância do trabalho dos pais para os alunos. Ao final da reunião foi proposta uma atividade pedagógica na escola, prevista para o segundo encontro do semestre, em novembro.

No segundo encontro de Prática de Ensino na comunidade, em novembro, as atividades se deram na E. E. Joaquim Marcelino. Foram realizadas várias oficinas ministradas por discentes da LEC, pais de alunos e professores. A prática foi interessante pelo fato de ter sido construída em diálogo com a escola e a comunidade, incentivando a troca de experiências entre os discentes da universidade, da escola, pais e professores.

Como resultado, foram realizadas quatro oficinas: horta, apicultura, artesanato/crochê e de Educação do Campo. A oficina de horta se deu na teoria e prática que agregou saberes e técnicas de plantio de hortas orgânicas. Na oficina de apicultura houve a troca de experiências e conhecimento a respeito da produção de mel de abelha. Na oficina de crochê foi ensinado como fazer o artesanato, bem como o processo do trabalho burocrático e a geração de renda. Na oficina de Educação do Campo houve discussões e troca de conhecimento entre os discentes da Licenciatura em Educação do Campo, alunos do ensino médio da escola e professores.

A aproximação entre os diferentes atores sociais e as instituições envolvidas foi um grande ponto positivo na realização das atividades que, sem dúvidas, fortalecem a proposta de alternância da UFVJM. Nesse sentido, estiveram presentes, em um diálogo educativo e uma efetiva troca de saberes, a Universidade, a escola local, a comunidade e o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Porteirinha.