JOVEM POETA DE OURO VERDE DE MINAS É DESTAQUE EM LIVRO DE POEMAS DE NÍVEL NACIONAL

Sandra Silva, estudante da LEC-UFVJM, uma das classificadas em concurso promovido por editora nacional, terá seu poema publicado em livro de antologia poética.

Por: Emanuela Raymunda de Souza Miranda

.

A entrevista a seguir traz como destaque a poeta Sandra Ferreira da Silva. A jovem de 21 anos, nascida e crescida em Ouro Verde de Minas, cidade do interior do estado de Minas Gerais, desde muito cedo utiliza os poemas como forma de expressar seus sentimentos. A poesia era como uma forma de conversar sobre o que eu sentia, com o papel, digamos assim. Era como se, ao escrever, eu estivesse desabafando e não sentiria vergonha, pois o papel não fala, mas me dava liberdade de escrever o que eu quisesse, conta Sandra para o laboratório de comunicação comunitária Olhares do Campo.

Sandra recitando poema na VI Noite Cultural da LEC (2018) Emanuela Miranda. 2018
Sandra recitando poema na VI Noite Cultural da LEC (2018) Emanuela Miranda. 2018

Atualmente é estudante do curso de Licenciatura em Educação do Campo (LEC) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) na habilitação Linguagens e Códigos. Através de eventos como a Noite Cultural, promovido pelos estudantes da LEC, Sandra traz seu dom de poetizar para ser compartilhado n. Assim, seu lirismo é recebido com amor por todos que são tocados com seus poemas. Com incentivo de colegas do curso, a jovem poeta se inscreveu em concurso vinculado à Vivara Editora Nacional, cuja premiação consistia em publicar os 250 melhores poemas. Concorrendo com 1812 inscritos, a autora foi classificada com seu poema Ah essa tal corrupção, que será publicado em livro de antologia poética da editora. Sandra possui um canal no Youtube chamado Poetizando seu dia, no qual compartilha suas preciosas poesias com o público. Para saber um pouco mais da poeta, foi realizada uma entrevista, revelando sua trajetória seus sentimentos e entendimentos em relação à poesia. Vamos conferir?!

Emanuela Miranda - Sandra, quando e por qual motivo você começou a compor poemas?

Sandra Silva - Desde de muito cedo já tinha essa tendência a gostar de poesia. Por volta da 7ª série, me lembro que já escrevia. O motivo eu acredito que tenha sido o fato de eu ser uma criança muito retraída, que não tinha muita facilidade de interagir e não me abria para as pessoas ao meu redor, então a poesia era como uma forma de conversar sobre o que eu sentia.

EM - Seus poemas geralmente seguem alguma linha temática? Quais assuntos que mais resultam em poemas?

SS - Quando comecei, me lembro que escrevia muito sobre mim, sobre meus medos e questionamentos, hoje ainda coloco isso, mas nada que pareça tão individual. Atualmente, procuro descrever sobre a vida, as mazelas do ser humano, tentando buscar retratar sobre coisas que tendem a ser um pensamento mais global e real. Também tenho inspiração em situações que presencio falas ou palavras que se destacam quando as ouço em algum lugar e sobre temas que estão em debate no momento. Eu costumo dizer que qualquer situação pode virar poesia.

EM - Você participou e foi classificada em um concurso de poesias nacional. Meus parabéns! Conte-nos como você soube do concurso, a seleção do poema a ser concorrido, suas expectativas e experiência deste momento importante em sua vida.

SS - Eu soube do concurso por meio de uma estudante da LEC, que me passou o link e ainda me encorajou a participar. A princípio fiquei um pouco receosa, não acreditando na possibilidade de ser classificada, mas, com os incentivos, resolvi participar. Depois de passado um mês e pouco saiu a classificação. O meu nome estava lá. Eram 1812 inscritos e 250 classificados. Eu fiquei muito feliz, afinal era a realização de um sonho. Meus colegas do curso da LEC me incentivaram bastante, até financeiramente para conseguir pegar 10 exemplares do livro. Esse interesse por parte deles me trouxe uma alegria indizível, pois era meu sonho e ninguém tinha a obrigação de me ajudar, foi muito gratificante o interesse de todos. Irei receber os meus exemplares a partir do dia 14 de março. Não vejo a hora de poder abrir um livro que possui uma composição minha, e quero muito ler os demais poemas que compõem a Antologia poética.

EM - Você pretende algum dia produzir alguma obra própria?

SS- O meu maior sonho é ter um livro com minhas composições, depois do concurso eu comecei a acreditar mais que isso pode ser possível, mas não sei ainda qual caminho devo seguir. O meu desejo é estar com ele pronto até o fim do ano, para poder dividir esse sonho com o curso no qual estou graduando, pois foi nele que me realizei em várias questões relacionadas à poesia.

EM- A Noite Cultural, evento produzido pelos estudantes da Licenciatura em Educação do Campo a cada semestre, contribuiu de alguma forma neste processo de significação entre você e a poesia?

SS - Muito, pois foi nela em que tive vontade de dividir o que escrevia. Teve uma vez em especial que a Noite Cultural me mostrou o quanto eu amo escrever. Nesse dia eu resolvi recitar olhando para as pessoas, ao invés de sempre ler e nunca enxergar a reação das pessoas com as minhas palavras. Foi muito gratificante! Enquanto eu recitava, via o sorriso das pessoas, as diversas expressões no rosto delas ao ouvirem e entenderem a mensagem que queria passar, e me aplaudiram de pé. A partir desse dia eu vi que eu compreendi o porquê eu escrevo poesia.

EM - Você poderia deixar um recado para aqueles que possuem um talento, mas por algum motivo o oculta?

SS -São vários os motivos pelos quais a gente às vezes não expõe aquilo que escrevemos, às vezes é o medo de ninguém gostar, a timidez ou talvez o receio de se expor demais pelo fato de a poesia poder dizer muito sobre a gente, dentre outros fatores. Eu nunca me imaginei uma escritora "de verdade" e dá um certo desânimo quando a gente percebe que aquilo que gostamos de fazer dificilmente será valorizado devidamente, mas se tem uma coisa que eu aprendi com a poesia é que ela precisa ser lida, ser ouvida, para ter mais sentido. Isso é arte, um dom que não é dado a muita gente. O que me trouxe até aqui foi o incentivo das pessoas ao meu redor, mas hoje eu percebo que se eu mesma acreditasse mais em mim, talvez já tivesse um resultado maior. É a gente que deve acreditar em nossos sonhos.

Quer apreciar um pouco mais sobre as poesias de Sandra? Que tal assisti-la declamando suas poesias? Veja no vídeo abaixo Sandra declamando o poema 'O decorrer da vida'. 

Veja também abaixo, em primeira mão, o poema 'Ah essa tal corrupção', classificado para o livro Antologia poética da Editora Vivara Nacional.

Referências:

SILVA, Sandra Ferreira da. Carreira como poeta. Entrevista com Emanuela Miranda. Compartilhada oralmente em consulta informal, na cidade de Diamantina, em 15 de fevereiro de 2019.

SILVA, Sandra Ferreira da. O decorrer da vida. Youtube, 03 de Mai 2018. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=Pp-3ZM8Rb_A&feature=youtu.be > Acesso em 01 de Mar. 2019.

Veja também

Reunião do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS), com parceria com a EMATER (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural), busca esclarecimentos acerca do cooperativismo para produtores rurais no município de Ataléia-MG.