DOUTOR EM EDUCAÇÃO DISCUTE NA LEC-UFJVM A IMPORTÂNCIA DA CRITICIDADE NA LEITURA DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS

A palestra e debate envolveram a importância da formação crítica e o papel do professor na compreensão da criticidade dos estudantes, diante das mídias publicitárias capitalistas e sociais.

Por Mariana Soares Ferreira

Fonte: arquivo Olhares do Campo
Fonte: arquivo Olhares do Campo

No dia 31 de janeiro de 2020, discentes da Licenciatura da Educação do Campo matriculados na disciplina e Gênero Textual e Discursivo receberam a presença do Jônio Machado Bethônico, doutor em Educação pela Faculdade de Educação (FAE) e pós-doutor em Linguística pela Faculdade de Letras (FALE), ambas na UFMG. O tema de sua palestra foi Letramento e Marketing: formação de leitores- consumidores críticos com foco no papel da escola nesse processo.

Dentro do contexto formativo mais amplo da LEC-UFVJM, a proposta mostrou-se alinhada aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) e à Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e trouxe, inclusive, atividades possíveis na busca da construção das habilidades e competências descritas pelo documento. Ficou claro para a turma que a ele assistiu diferentes metodologias educacionais possíveis de serem concretizadas no contexto escolar a fim de favorecer uma formação cidadã crítica dos estudantes.

Ao longo da palestra, o convidado apresentou o funcionamento de alguns aspectos das propagandas publicitárias, explicitando o quanto esse gênero textual pode ser articulado em benefício de antidemocráticas relações de poder próprias da cultura de massa, que atinge o cotidiano de nós brasileiros. As pessoas presentes puderam refletir sobre como anúncios organizados pela mídia têm como tela de fundo uma força tarefa composta por diferentes especialistas preparados para a publicação e criação de anúncios, instruídos de forma que possam alcançar de forma significativa o seu público-alvo, e até manipuladora. Das ideias iniciais, pesquisas de mercado, construção dos textos até a exibição da propaganda e ou anúncio, leva-se muito tempo e dinheiro, o que já é um alerta aos leitores. Nesse sentido, a conversa também deixou nítida a importância se de levar em conta, a partir, sobretudo, dos contextos de produção e divulgação, os interesses específicos envolvidos, em todo tipo de publicidade, pois, assim como as outras formas de discurso, estão embebidos de ideologias diversas e atendem a interesses que nem sempre são os nossos.

Diante do exposto, vê-se que a escola tem como papel principal problematizar os diferentes gêneros textuais e discursivos que ocorrem em sociedade, sendo um deles as propagandas presentes em revistas, jornais, programas televisivos, internet etc. É preciso fazer questionamentos cruciais como, por exemplo, os porquês, para quem se quer vender, como se constrói a narrativa, dentre outros. Assim, pode-se aguçar a curiosidade e provocar a reflexão e o processo acrítico do estudante, o que encontra o objetivo de uma formação humanizada do indivíduo.

O professor, assim, deve ter um olhar consciente e provocador, a fim de alertar seu estudante da existência do modelo consumista imposto pela sociedade capitalista. Entender a linguagem por um viés social é buscar retomar as rédeas das próprias ações dentro do possível no modelo de sociedade vigente e, a partir disso, desnaturalizar certos modos de vida que são realidade, muitas vezes, apenas na publicidade, mas que incentivam o consumismo desnecessário e prejudicial

Fonte: arquivo Olhares do Campo
Fonte: arquivo Olhares do Campo