DISCUSSÕES AMPLIADAS PARA A CONSOLIDAÇÃO DA LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFVJM

Reunião com debate ampliado sobre questões pertinentes aos desafios Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), tendo em vista a consolidação do movimento da educação camponesa, é promovida pela Comissão de Articulação Estudantil.

Por Mariana Soares Ferreira

A Comissão de Articulação Estudantil da LEC-UFVJM, que representa o conjunto dos estudantes da LEC, organizou uma reunião com o intuito de, antes de tudo, ampliar a discussão sobre os desafios da educação camponesa na cidade de Diamantina. O debate, que tratou sobretudo de questões sobre concretização e consolidação da Licenciatura em Educação do Campo, ocorreu no dia 10 de fevereiro de 2020, às 16 horas no auditório da reitoria do Campus JK.

Estiveram presentes os seguintes convidados: o Vice-Reitor da UFVJM - Marcus Henrique Canuto; o Diretor da Faculdade Interdisciplinar em Humanidades - Heron Laiber; a Coordenadora da LEC-UFVJM - Ivana Cristina Louvo; o Vice- Coordenador Helder Morais Pinto; o Deputado Estadual Jean Freire; a Secretária Executiva da Rede Mineira de Educação do Campo e Diretora de Políticas Sociais da FETAEMG - Maria Alves; a Assessora de Educação FETAEMG - Elen Vieira e o Diretor da Sind-UTE - Mucio Cordeiro; a Secretária Municipal de Desenvolvimento Social de Diamantina - Maria do Carmo Ferreira da Silva; os assessores dos Deputados Federais Vilson da FETAEMG, Rogério Correia, Beatriz Cerqueira, Reginaldo Lopes, Padre João, André Quintão; o Presidente da Federação Quilombola N'golo de MG - Jésus Rosário; e os discentes e docentes da LEC. Foi um grande momento da qual se concretizou ações de luta e resistência da Educação do Campo.

Umas das pautas organizadas e concluída com sucesso foi a entrega de uma carta propositiva aos deputados do legislativo e aos assessores que representavam a classe parlamentar do nosso Estado. A carta entregue traz para a discussão a pedagogia da alternância (onde os estudantes estudam em dois espaços diferentes: parte na própria comunidade e parte na universidade) e relata as dificuldades dos estudantes diante da permanência no curso, sobretudo pela indisponibilidade de hospedagem, problema que vem sendo enfrentado paliativamente a cada semestre. De forma propositiva, n acarta sugerimos a criação da 'Casa de Alternância' em um bloco inacabado de apartamentos na Moradia Estudantil Universitária. Com o devido investimento, que pode vir de emendas parlamentares, o espaço seria destinado aos estudantes da LEC prioritariamente. Nos períodos de ausências desses, o espaço poderia ser utilizado para outros públicos da universidade, como, por exemplo, apoio a discentes que necessitam participar de eventos, congressos, reuniões, entre outros.

Estes diálogos foram momentos de extrema importância para o curso, tendo em vista que soluções devem ser propostas e avaliadas com o esforço de todos. Da parte dos estudantes, busca-se o mínimo de dignidade para a permanência no curso que acaba de ser avaliado com nota máxima no MEC, fruto do empenho de todos nós.