‘DIA DE CAMPO’ NA EFA-NOVA ESPERANÇA PROPORCIONA INTERCÂMBIO ENTRE AGRICULTORES, TÉCNICOS DA EMBRAPA E COMUNIDADE ESCOLAR

A EFA-NE, localizada em Taiobeiras, recebe pesquisadores da Embrapa e agricultores para um dia de campo com o intuito de debater técnicas para as áreas de sistema agroflorestal e plantio de maracujá.

Por: Emanuela Raymunda de Souza Miranda

.

No dia 24 de abril de 2019, ocorreu na Escola Família Agrícola Nova Esperança (EFA-NE), Taiobeiras-MG, um dia de campo voltado para visitas na área de plantio do maracujá e na do Sistema Agroflorestal (SAF) localizado na propriedade da instituição. Esta atividade foi promovida pelos professores Valdinei e Udilésio em conjunto com dois pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Andersom e Hebert. O público-alvo envolvia professores, estudantes do primeiro ano do ensino médio e agricultores.

A EFA-NE possui há 5 anos uma parceria com a Embrapa, empresa que auxilia tanto no processo de restauração da área de forma ecológica através do SAFs, como na unidade pedagógica experimental de plantio de maracujá da escola. Estas áreas são monitoradas pelos professores das disciplinas técnicas e cuidadas pelos estudantes através das atividades práticas orientadas. A escola busca construir um local em que se possa ter plantio de árvores frutíferas e áreas de sombras, além de estar integrado com o cultivo voltado para a agricultura, contribuindo na alimentação e na renda através das vendas em feiras comerciais. 

Intercâmbio entre alunos, professores, técnicos e agricultores no plantio de maracujá da EFA-NE.   Foto: Emanuela Miranda. 2019.
Intercâmbio entre alunos, professores, técnicos e agricultores no plantio de maracujá da EFA-NE. Foto: Emanuela Miranda. 2019.

De acordo com o professor Valdinei, a unidade pedagógica experimental de maracujá possui quatro variedades plantadas de forma sorteada, contendo cinco pés por blocos. Conforme explicitam o estudante Edson e o pesquisador Andersom, esta opção ocorre por ser um experimento escolar. A partir de tal metodologia, nenhuma das espécies se beneficia na produção em relação a outra devido a fatores relacionados ao solo como, por exemplo, uma parte da área ter mais nutrientes do que outra. Isso permite, portanto, a análise do desenvolvimento dos maracujás em diferentes partes. Para a manutenção do plantio, outros cuidados são tomados: roçadas baixas para que as ervas daninhas continuem a brotar e proteger o solo da erosão, bem como o coroamento a partir das próprias ervas cortadas como forma de fortalecer a proteção.

Plantio de maracujá da EFA-NE e a forma de manejo para proteção do solo  Foto: Emanuela Miranda, 2019.
Plantio de maracujá da EFA-NE e a forma de manejo para proteção do solo Foto: Emanuela Miranda, 2019.

Outra área visitada foi o SAF, implementado na escola em 2016 através da aprovação de projeto pelo ISPN (Instituto Sociedade, População e Natureza). A partir disto, houve colaborações para seu desenvolvimento vindas do projeto Bem Diverso e de agricultores das comunidades inseridas na região. Segundo o professor Valdinei "a intenção é que, em alguns anos, esta área se torne uma floresta com produção alimentícia. " O pesquisador Andersom reforçou a importância deste comentando que o SAF, no Alto Rio Pardo, iniciou como forma de proteger e manter a floresta na região e também produzir alimentos e fontes de renda através da extração dos produtos do cerrado.

Professor Valdinei explicando sobre a área do SAF da escola para os alunos, professores, agricultores e pesquisadores da Embrapa. Foto: Emanuela Miranda, 2019.
Professor Valdinei explicando sobre a área do SAF da escola para os alunos, professores, agricultores e pesquisadores da Embrapa. Foto: Emanuela Miranda, 2019.

O dia de campo serviu como forma de ampliar os conhecimentos das pessoas envolvidas, além de contribuir para avaliar o processo que vem ocorrendo desde a implantação do SAF e do plantio de maracujá, aproximando o público de técnicas alternativas para o melhor desenvolvimento da área de acordo com a fauna da região.

Referências:

SANTOS, Valdinei Moreira dos. Dia de campo na EFA-NE. Compartilhada oralmente em consulta informal, na cidade de Diamantina, em 15 de fevereiro de 2019.

Veja também

Reunião do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS), com parceria com a EMATER (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural), busca esclarecimentos acerca do cooperativismo para produtores rurais no município de Ataléia-MG.