CARTA ABERTA DO COLETIVO DE DISCENTES DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI – UFVJM À COMUNIDADE ACADÊMICA DA UFVJM EM RESPOSTA À PROPOSTA DE DAS ATIVIDADES EM MEIOS REMOTOS


O coletivo de discentes do curso de Licenciatura da Licenciatura em Educação do Campo (LEC) e a Comissão de Articulação Estudantil da LEC da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), representando o conjunto de estudantes da LEC, viemos, por meio desta carta, expressar nosso posicionamento quanto à retomada das atividades acadêmicas em meios não presenciais e remotos.

Estamos passando por um momento difícil que nos atinge socialmente, economicamente, politicamente e psicologicamente. Ninguém esperava tamanho desconforto e perdas nesse ano de 2020; daí defender e compactuar com um projeto a ser implantado em plataforma EAD é uma ideia equivocada e excludente que contribuirá para desigualdade na educação e que se afasta de nossos preceitos e ideais de uma educação libertadora.

As aulas à distância podem até ser uma solução viável neste momento de pandemia em alguns casos, considerando a necessidade quanto ao cumprimento de planos que haviam sido apresentados e iniciados no tempo universitário. Mas é preciso levantar questões relevantes como: nem todos os discentes têm acesso à internet e aqueles que possuem é de péssima qualidade; ao ingressarmos na LEC, apostamos no regime de alternância e NÃO abrimos mão desta modalidade. Compreendemos o período de pandemia que estamos enfrentando por causa da Covid-19 e concordamos que precisamos de soluções viáveis para esse ano de 2020, mas é preciso que considerem as dificuldades dos discentes para estudar em plataforma EAD. Essas dificuldades estão relacionadas à falta de tecnologia de comunicação e informação e às circunstâncias das atividades que exercemos, pois a maioria de nós residimos em zona rural, somos trabalhadores e trabalhadoras do campo e não estamos disponíveis para nos dedicarmos aos estudos desta forma. Além disso, mesmo que alguns de nós esteja recebendo auxílio emergencial, isso não garante o sustento de nossas famílias e há um número expressivo de famílias de discentes que sequer acessaram esse benefício.

O curso de Licenciatura da Educação do Campo segue a metodologia da ALTERNÂNCIA que nos possibilita a flexibilização de estudos tanto no espaço da universidade, quanto na comunidade que residimos. O movimento que fazemos durante o Tempo Universidade é fundamental para a nossa formação, assim como o tempo que passamos nas nossas comunidades durante o Tempo Comunidade, realizando pesquisas e fazendo levantamentos de dados para as elaborações das atividades. Essas práticas possibilitam caminharmos em direção a uma política de educação do campo de forma contextualizada, para um projeto de desenvolvimento sustentável e que garanta a permanência no curso.

A modalidade do Ensino em ALTERNÂNCIA possibilitou que muitos jovens campesinos pudessem ingressar nas universidades públicas, concretizando uma realidade a partir dos dados desta universidade, inclusive comprovando a qualidade do curso, demonstrado pela última avaliação do MEC, com a nota máxima.

Sentimos orgulho de pertencermos a esta Universidade que assumiu o propósito do regime da ALTERNÂNCIA, possibilitando uma formação através da organização do tempo/espaço e ainda sermos autores da nossa própria História.

Diante dos avanços que o curso LEC/UFVJM tem proporcionado, tanto no âmbito institucional, quanto em sua dinamização de política pública educacional, reiteramos junto ao coletivo do curso que a proposta apresentada de retornar as atividades com aulas remotas não presenciais desqualifica a essência do curso para a formação de futuros professores.

O Grupo Articulação Estudantil e Coletivo da LEC, em diálogo com os demais discentes vêm dizer: NÃO ACEITAMOS o retorno das atividades da LEC-UFVJM na modalidade EAD. Aguardaremos o fim dessa crise causada pela COVID-19, para o retorno total das atividades do curso. Acreditamos e apostamos no regime proporcionado pela ALTERNÂNCIA. Defendemos a ação por uma educação dialógica, por isso não abrimos mão dos eixos de formação vivenciados em espaços e tempos formativos por períodos bem distintos: Tempo Universidade com aulas presenciais, na UFVJM- Campus JK e Tempo Comunidade com a presença dos professores, distribuídos entre quinze núcleos de alternância, entre as regiões do Vale do Jequitinhonha, Mucuri, Norte de Minas e Rio Doce.

Continuamos firmes na luta pela Educação de Qualidade e uma Universidade Publica para todos.

Enfim, compreendendo a conjuntura nacional atual, recordamos das sábias palavras de Paulo Freire:

"A teoria sem a prática vira 'verbalismo', assim como a prática sem teoria, vira ativismo. No entanto, quando se une a prática com a teoria tem-se a práxis, a ação criadora e modificadora da realidade". (Paulo Freire)


Atenciosamente,

Coletivo dos Discentes do Curso em Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM.

e

Comissão de Articulação Estudantil da Licenciatura em Educação do Campo-LEC-UFVJM 


BAIXE A CARTA EM FORMATO PDF