Atividades de Educação do Campo integram conhecimentos comunitários e científicos em Padre João Afonso – MG

Por Isac Lopes , Magno Santos e Maurício T. Mendes

Nos dias 24 e 25 de outubro de 2018 a Escola Estadual de Padre João Afonso (EEPJA), município de Itamarandiba, foi sede das atividades de práticas de ensino dos estudantes da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Seguindo a proposta da LEC de integrar conhecimento científico com os conhecimentos produzidos na própria comunidade, as três atividades desenvolvidas, descritas a seguir, tiveram a interação entre escola, comunidade e universidade.

A noite cultural 

Na noite de 24 de outubro, a abertura dos trabalhos da prática de ensino se deu com a 'IV Noite Cultural' da escola. O evento foi organizado pela professora Hemerenciana e em parceria com o PIBID (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência), contando também com o auxílio de estudantes da escola e moradores da comunidade. A atividade reuniu apresentações artísticas de diversos gêneros, envolvendo artistas da própria região e também estudantes da LEC. Com público variado, indo desde crianças até pessoas com mais de 90 anos, as apresentações artísticas foram multietárias. 

O início foi marcado por uma mística organizada por parte dos universitários, trazendo diversos temas como: diferenças de gêneros, diversidade, desigualdade social, moradia, tragédias ambientais como o rompimento da barragem em Mariana-MG, bullying, imigração etc. Além de serem oferecidas algumas comidas comumente preparadas no povoado como cuscuz, queijo, bolo de mandioca, bolo de fubá houve também  exposição de artesanatos locais como pilão, colher de madeira, gamelas, tricô, bordado, entre outros.

Entre as apresentações, destacou-se a do grupo de Folia do Divino, existente há mais de 70 anos e que, segundo seus integrantes, precisa da participação de jovens para que a tradição não acabe. Ainda tivemos a presença de Gleison Duarte, um cantor da região; apresentações de paródias e poesias que marcaram a defesa da democracia e a luta contra discriminações e injustiças no país; apresentação de danças e uma exibição de taekwondo feita por estudantes da Educação Integral. Outro destaque foi a participação de uma estudante da EJA vinculada ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais, pautando a importância da participação das mulheres nos diversos espaços políticos.

Prática de Ensino

Na tarde do dia 25 de outubro, os discentes da LEC foram os facilitadores de várias atividades que envolveram os estudantes dos anos finais e iniciais do Ensino Fundamental da EEPJA. As atividades realizadas foram multidisciplinares e mobilizaram diversos conteúdos, acadêmicos e não acadêmicos. Houve oficinas de jogos matemáticos e geométricos, oficinas de facilitação gráfica e ainda outras atividades com diferentes metodologias de ensino-aprendizagem que envolveram o uso de aplicativos e softwares para computadores, despertando um olhar diferente ao uso das novas tecnologias em sala de aula. Também houve espaços de discussão sobre usos de tecnologia e sobre ervas medicinais, temas de relevância no contexto da comunidade. Para uma maior integração e sistematização dos conhecimentos mobilizados e dos processos vividos em cada uma das atividades, já que elas foram realizadas por grupos diferentes, ao fimos estudantes da comunidade se reuniram no pátio da escola com os licenciandos da LEC para uma colocação em comum.

Seminário de educação do campo

Na noite do dia 25/10/18 aconteceu o 3º Seminário em Educação do Campo da Comunidade de Padre João Afonso que teve como tema "Pedagogia da Alternância e contextualizada em uma escola pública do campo: possibilidades e desafios". O evento foi organizado pela EEPJA e pelos estudantes da LEC como atividade de encerramento das práticas de ensino para o semestre.

O seminário contou com uma mesa redonda com o diretor da escola, Cristiano Fernandes, um morador da comunidade que estudou na Escola Família Agrícola de Veredinha (EFAV), Johny Oliveira, e os professores da UFVJM, Carlos Castro e Geison de Almeida, que discutiram sobre a pedagogia da alternância e também sobre a educação contextualizada no campo. O diretor abordou a necessidade de uma escola que dialogue com a realidade do estudante, além de descrever dificuldades estruturais da escola e desafios políticos que a gestão busca transcender a fim de tornar a instituição um espaço educativo mais efetivo. Nesse sentido, mencionou a necessidade de se alterar o calendário escolar local, prática legalmente prevista na Educação do Campo, principalmente para evitar que os estudantes percam aulas nas épocas de chuva.

O professor Carlos falou sobre a pedagogia da alternância, explicou o funcionamento da Licenciatura em Educação do Campo e esforços empenhados pela instituição para propor uma educação que se comunique com os contextos dos sujeitos que a acessam e, sobretudo, para garantir que a educação resulte em melhorias para as comunidades.

Já Johny falou um pouco sobre a Escola Família Agrícola (EFA) onde estudava, explicou sobre como era o funcionamento das aulas nesse tipo de escola e seus objetivos. Dentro disso, enfatizou o modo como a prática educativa era necessariamente contextualizada e narrou as lutas que a escola enfrenta tanto para sobreviver como também para captar recursos a fim de aperfeiçoar seus serviços. Tivemos também uma participação, por vídeo, de uma das professoras da EFAV, a Neltinha Oliveira, que cursa o último semestre na Licenciatura em Educação do Campo. Em sua participação, a professora buscou apresentar o modelo de uma EFA, o que dialogou diretamente com a fala anterior. Na perspectiva de professora, ela detalhou atividades que são desenvolvidas e também falou sobre os princípios e a história das EFAs no Brasil e em Minas Gerais. Ao final, o público do seminário se dividiu em três grupos para discutir a educação do campo. Como metodologia, os grupos debateram subtemas elaborados pelo professor Geison a partir das falas da mesa redonda. Os participantes dos grupos trouxeram seus olhares sobre si mesmos enquanto sujeitos do campo, bem como sobre a importância de se pensar em uma educação contextualizada com a vida campesina. Dessa discussão, elaboraram pequenas sínteses que, ao fim, foram compartilhadas em um momento de discussão com todos os participantes do evento no pátio da escola, espaço central do debate.

Veja no vídeo abaixo as imagens que registraram os momentos:


Veja também